Gestão otimizada da escoliose idiopática na adolescência. Porque no Brasil não é assim?

adolescentes . Apesar de benigna na maioria dos pacientes, o curso natural da doença pode resultar em perturbação significativa da morfologia corporal, redução do volume torácico , respiração prejudicada, aumento das taxas de dor nas costas, e sérias preocupações estéticas . O risco de deterioração é maior durante o estirão puberal e aumenta o risco de curvatura da coluna vertebral patológica , aumentando o valor angular , o desequilíbrio do tronco, e  a deformidade torácica .

A detecção clínica precoce da escoliose depende de um exame cuidadoso da forma tronco e está sujeita a programas de rastreio (triagem escolar) em algumas regiões. As opções de tratamento são fisioterapia , órtese corretiva, ou cirurgia para escoliose leve, moderada ou grave, respectivamente , sendo que tanto o verdadeiro grau de deformidade e o prognóstico devem ser levados em conta. A fisioterapia aplicada  na escoliose idiopática leve compreende um treino geral da musculatura do tronco e capacidade física , enquanto técnicas fisioterapêuticas específicas têm como objetivo abordar a própria curvatura da coluna , na tentativa de alcançar a auto- correção com movimentos ativos do tronco desenvolvidos em um espaço tridimensional por um adolescente instruído sob controle visual e proprioceptivo . A escoliose idiopática moderada, mas progressiva em adolescentes esqueleticamente imaturos pode ser interrompida com sucesso usando um colete corretivo que deve ser usado em tempo integral durante vários meses ou até a maturidade esquelética , e é capaz de prevenir a deformidade mais grave e evitar a necessidade de tratamento cirúrgico. A cirurgia é o tratamento de escolha para a escoliose idiopática grave que é rapidamente progressiva , com início precoce , diagnóstico tardio e tratamento conservador negligenciado ou falho. O impacto psicológico de escoliose idiopática , uma doença crônica que ocorre no período psicologicamente frágil da adolescência, é importante por causa de seu corpo distorcendo a própria imagem e o tratamento oneroso necessário, conservador ou cirúrgico . A gestão otimizada de escoliose idiopática requer a cooperação dentro de uma equipe profissional, que inclui todo o espectro terapêutico , que se estende desde a observação vigilante simples de deformidades leves progressivas através de cirurgia precoce para as curvas que se deterioram rapidamente . Provavelmente a maior demanda ou a maior exigência é adequar a gestão no que diz respeito ao curso individual da doença em um determinado paciente, evitando over-tratamento ou sub-tratamento.”

Fizemos questão de grafar as afirmações do Dr. Kotwick que diferem da realidade no Brasil, onde temos total ausência destes quesitos para gerar questionamento.

Vocês poderão observar quão distante está a nossa realidade da existente na Europa quando nos referimos a Escoliose Idiopática do Adolescente.

O Projeto Escoliose tem a intenção de promover a informação correta, principalmente baseada em evidências que possam de forma positiva estabelecer um debate que esclareça nossa triste situação.

Convidamos então a comentar, relatar casos e principalmente estamos abertos a sugestões para mudar este quadro no país.